Skip to main content
Switch Language
  • Notícia

Desenvolver uma mentalidade de inovação é uma tarefa mais crítica do que nunca para as organizações

Em um mundo com eventos disruptivos cada vez mais comuns, o seu negócio também deve acompanhar esse ritmo

Man inside a factory of face shields

Agosto 29, 2020

Uma crise está pronta para assolar a vida como a conhecemos a qualquer momento, seja individualmente ou, como estamos testemunhando atualmente com a pandemia do COVID-19, em nível global. A história é cíclica quanto a estes eventos, da peste negra na Idade Média, passando pelo terremoto e tsunami no Oceano Índico em 2004, crises normalmente nos pegam bem despreparados. Para a nossa sorte, a história também demonstra a nossa resistência, desde construções grandiosas para manter as casas unidas após o grande terremoto de 1886 até os fabricantes de cerveja que fornecem álcool para a produção atual de desinfetantes, as pessoas têm muitos recursos. Mas a pergunta que fica é: existe uma maneira de estar preparado para inovar, antes mesmo que o inesperado ocorra? 

Naturalmente, as pessoas dirão: “Como podemos nos preparar para uma pandemia global desconhecida ou para um futuro ciclone, inundação, terremoto, um ato de terrorismo...? a lista de possibilidades vai longe. Quando, na realidade, a pergunta mais importante deveria ser: “Como não podemos nos preparar?” Só porque não sabemos exatamente quando e onde uma crise pode ocorrer não significa que devemos nos sentar e esperar por ela. Como a pandemia do COVID-19 e outros eventos recentes demonstram, levamos tempo para dinamizar recursos, reequipar e organizar respostas; tempo que pode significar vida ou morte para os seus negócios, sua cadeia de suprimentos ou, como testemunhamos desde o início de 2020, literal e infelizmente, perdas de vidas. 

Então, como as organizações podem se preparar melhor para as futuras crises? Vamos abaixo a algumas reflexões sobre a expectativa do inesperado: 

(Re)Defina o negócio da inovação

O artigo escrito pelo professor Theodore Levitt, da Harvard Business School, “Miopia em Marketing”, despertou muitas empresas após sua publicação na Harvard Business Review em 1960. Há muito incluído como leitura obrigatória para os cursos de Negócios e Marketing, o artigo desafiava as empresas a parar de definir eles mesmos pelo que produziram e, em vez disso, focar no atendimento satisfatório das necessidades dos clientes. 

Embora Levitt pretendesse que suas palavras fossem um alerta para as empresas norte-americanas que enfrentavam a onda da força industrial pós-Segunda Guerra Mundial, sua premissa continua sendo verdadeira para empresas ansiosas para responder mais rapidamente a crises futuras. Dos muitos pensamentos brilhantes oferecidos em seu artigo, essa frase se destacou: 

“As oportunidades de aplicar seu conhecimento técnico à criação de aplicações que irão satisfazer os seus clientes precisam ser observadas e analisadas constantemente, o que explica sua produção estupenda de produtos bem-sucedidos”. 

O interessante desta frase de Levitt, de manter “uma vigilância constante”, é apresentado em uma série de descobertas publicadas por Joseph B. Fuller, Judith K. Wallenstein, Manjari Raman e Alice de Chalendar na Harvard Business Review. 

O artigo “Sua força de trabalho é mais adaptável do que você imagina” é baseado em uma pesquisa global abrangente com 11 mil trabalhadores e 6,5 mil líderes de negócios em 2018. O estudo mostrou que os dois grupos vêem o futuro de maneiras significativamente diferentes, com os trabalhadores demonstrando uma visão mais ampla sobre as forças de ruptura e seu impacto nas empresas. Os líderes, por outro lado, mantêm uma visão mais limitada, aparentemente incapazes – ou pouco dispostos, de acordo com os autores – de explorar as implicações potenciais de forças disruptivas, levando-os a concluir que “a maioria dos líderes ainda não descobriu quais mudanças eles devem tomar como prioridade.” 

Este artigo conclui que sua incapacidade de priorizar a inovação resulta em um erro de cálculo das reservas de talentos, levando ao subinvestimento de programas de treinamento dos funcionários. 

A lição? Nunca perca de vista o coração do seu negócio e cultive continuamente o conhecimento técnico dos seus funcionários. Desta forma, você estará pronto para dinamizar e reorientar os esforços em tempos de crise. 

Desenvolva uma mentalidade de inovação 

A inovação sempre começa com uma ideia, mas ideias, assim como um pernilongo que atrapalha o nosso sono, podem ser facilmente esmagadas. 

Empresas que buscam desenvolver uma mentalidade inovadora e não apenas um momento de inovação precisam considerar uma abordagem multifacetada à inovação, incorporando-a em toda a organização. Uma maneira é criar um sistema que está testando e otimizando continuamente para refinar os projetos. Semelhante ao processo científico, isso permite que as organizações mantenham a inovação sempre em primeiro plano.

Waguih Ishak, chefe de tecnologia da Corning R&D Corporation-Silicone Valley, afirmou em um artigo de setembro de 2017 publicado pela McKinsey & Company: “Todos nós precisamos de mecanismos e de uma cultura que incentive a adoção de novas tecnologias, estimule a paixão pelo conhecimento e reduza as barreiras à criatividade, permitindo avanços inesperados.

O valor retornado ao permitir que os funcionários pensem, criem e idealizem fortalecerá a sua empresa, ajudando-a a superar os momentos de crise com êxito. Liderar é tanto ouvir, confiar e capacitar os funcionários quanto direcionar e gerenciar a produção. 

A lição? Ao incorporar uma mentalidade de inovação na cultura da empresa, o processo se torna um princípio estratégico orientador, em que você pode confiar totalmente em situações desafiadoras. 

Fortaleça seu ecossistema de inovação 

No Estudo de Inovação da UL de 2019, mais da metade dos participantes da pesquisa responderam que fazem uso de parcerias externas para inovar. No entanto, existem diferenças consideráveis entre as indústrias. 73% dos fabricantes de produtos relataram colaboração regular com parceiros externos para inovações emergentes de produtos e processos, enquanto apenas 23% dos produtores de dispositivos médicos responderam o mesmo. 

Era possível desenvolvermos curas mais rápidas e implementar ideias inovadoras de uma forma mais suave para combater o novo coronavírus, se o setor de Saúde e a indústria de dispositivos médicos tivessem mais parceiros externos? Embora não possamos mudar o passado, podemos melhorar as respostas às crises futuras. A colaboração cria flexibilidade e permite às organizações colocar suas soluções no mercado mais rapidamente. E, uma organização ágil, com parceiros que pensam da mesma forma, pode mudar de rumo para reagir mais rapidamente a interrupções.

A lição? A disrupção nunca desaparece, seja por meio da introdução de um novo concorrente ou de um novo vírus. Construir um ecossistema de inovação, ou fortalecer e refinar continuamente o seu cenário atual, permite uma inovação mais rápida para resolver essas situações.

Em um mundo em que eventos complexos acontecem cada vez mais, afetando grandes e pequenas empresas, o ajuste fino de seu processo de inovação agora pode ajudar a sua empresa a navegar efetivamente em qualquer crise que surgir no futuro. 

Get in touch

rdgthgfjgjgjhgjhgjfgfj

Entrar em contato

Falar com um Especialista

Ajuda e suporte

Como podemos ajudar?